Manifesto em Brasília denunciará abate e comércio indiscriminados de jumentos

 

Foto: Divulgação

 

Brasília será palco, nesta semana, de um manifesto coordenado pela Frente de Defesa dos Jumentos, como alerta ao abate indiscriminado do animal símbolo do Nordeste. Os ativistas denunciam que os jumentos são abatidos de forma dolorosa e sem regras, inclusive fêmeas e filhotes. E como não há critérios, a população desses animais tem reduzido de forma acelerada no Brasil. O mais recente levantamento do IBGE aponta que, no ano de 2011, haviam  974 mil indivíduos no País e em 2017 eram 367 mil. Esse é um fator que também altera a segurança da biodiversidade na região nordestina.

Ex-vereadora do Recife e ativista da causa animal, Goretti Queiroz disse que irá a Brasília para participar desse movimento, por entender que é necessário conscientizar a sociedade e as autoridades de que deve haver limites no abate e na comercialização. “Não podemos ficar de braços cruzados diante de uma situação absurda dessa. Vamos cobrar responsabilidade do poder público, da Câmara Federal, do Senado e de todos envolvidos para evitar essa matança generalizada”, defende Goretti, que é criadora do Projeto SOS Cavalos, uma entidade que luta em defesa de animais de grande porte.

Os abatedouros habilitados para exportar peças de jumentos estão nas cidades baianas de Amargorosa, Irapetinga e Simões Filho. A China é o principal comprador, onde o colágeno da pele dos animais é transformado em gelatina para a produção do eijao. Na medicina tradicional chinesa, esse eijao é um produto usado no tratamento de anemia, menstrução irregular, impotência sexual e insônia, mas não há comprovação científica sobre a eficácia. A carne do jumento é exportada para o Vietnã.

Você pode gostar:

1 comentários

Um comentário

  1. Esse absurdo ja foi mostrado em rede nacional de tv. A anos atrás. Se tem que fazer um trabalho de reintegração e valorização dos animais no campo novamente. Como ex: temos empresas wue usam os jumentos para puxarem cachos de bananas em sistemas suspensos. Com rodízios de trabalhos dos animais. Opção essa que empresas viram opção de economia e eficiencia com a utilização desses animais nas grandes plantações comerciais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Destaques

Publicidade

Posts Populares

Publicidade